24.6.11

Reino Unido

Por aqui os dias são de chuva, apesar do verão. É incrível acordar pela manhã, olhar a paisagem da nossa janela e não ver nada além do verde das copas das árvores e das manchas avermelhadas dos telhados. Eu ainda me emociono quando lembro dos nossos devaneios, há uns dois anos atrás, quando para nós essa viagem não passava de um sonho que nós estávamos alimentando com todas as nossas forças e o nosso trabalho.

Apesar da euforia, esses últimos dias foram um pouco estranhos e eu me senti um tanto melancólica. Tenho pensado e analisado bastante os meus próximos passos e, apesar de saber que determinadas escolhas são necessárias, existe em mim uma insegurança natural e o inevitável medo de errar. Então eu lembro daquela noite em Stuttgard e das letras douradas que nos incentivava a seguir adiante, e ganho mais coragem.

„...dass diese Furcht zu irren schon der Irrtum selbst ist.“
Georg Wilhelm Friedrich Hegel

19.6.11

Tempo

Eu preciso acalmar a minha mente e o meu coração. Na verdade, eu preciso reorganizar a minha alma para aceitar as mudanças e continuar essa caminhada.

8.6.11

A deriva

Eu não tenho a mínima ideia de quais passos serão dados nos próximos dias. Apesar de toda essa confusão, nada ofusca a alegria da nossa última descoberta, a de que nós seremos felizes em qualquer lugar desse mundo. E não é ilusão, é realidade