4.2.12

Salão de Beleza

Outro dia conversávamos com uma menina aqui da cidade e ela se mostrou espantada ao saber que éramos tão jovens e já estávamos comprometidos. Ela não se limitou ao comentário e quis saber a nossa idade. Nós dois temos 26 anos, mas aparentamos ser um pouco mais novos. Mesmo sabendo que na verdade nós somos dois idosos em uma carcaça jovem, ela ainda continuou um pouco chocada com a nossa decisão.


Ela então nos lançou um desafio e pediu que nós adivinhássemos a idade dela. Apesar das marcas de expressão, dissemos que ela aparentava ter 25 anos com a intenção de fazer um elogio. Hoje as meninas andam tão camufladas que essa tarefa de adivinhação se tornou um jogo arriscado. Dizer a verdade nesse caso seria uma indelicadeza.

Ela era uma Barbie, dessas tão comumente estereotipadas. Loira, de olhos claros com cílios postiços e unhas exageradas. Linda, mas com uma maquiagem tão inapropriada e exagerada que não tinha como não ficar, de certa forma, feia. Feio mesmo foi ver o sorriso sem graça dela quando disse que tinha apenas 19 anos. Naquele momento todos nós perdemos o equilíbrio com a gafe que acabávamos de cometer e sorrimos tentando contornar a situação.


Desde então eu tenho refletido sobre essa vaidade que nos envenena e nos envelhece tão precocemente. Minha mãe tem 62 anos e tem a pele linda. Só agora algumas ruguinhas e outras marcas da idade começaram a aparecer. Ela sempre foi vaidosa e foi com a maquiagem dela que eu comecei a me maquiar, mas foi com ela também que eu aprendi que a beleza mais bonita é a natural, sem exageros. Ela envelheceu, mas continua linda. Eu quero envelhecer assim também.


Os cosméticos existem para nos ajudar, mas o problema é que as pessoas estão tão obcecadas por isso que nem percebem o quanto esses mesmos produtos maravilhosos podem ter um efeito destrutivo. Todo exagero trás consequências e esse uso desenfreado de “embelezadores” não é uma exceção. Eu saio na rua e vejo essas meninas tão bonitas e tão jovens carregando um peso tão grande no rosto às nove da manhã que não tem como não ver que isso se tornou um problema que trará consequências bem tristes e em um futuro bem próximo.


A única conclusão que eu cheguei é que é não posso ser a mais bonita, nunca fui e sinceramente não vou ser. Eu tenho cabelos naturalmente cacheados e não vou alisá-los por nada nesse mundo. Eu tenho olhos castanhos e preciso usar óculos para enxergar melhor. Eu sou pequena e não tenho corpo de modelo. Eu não estou dentro do “padrão de beleza” que exigem por aí, eu sou normal e tento aceitar todas as minhas imperfeições. Sinceramente eu me sinto bem mais feliz por saber que eu posso sim sair de casa só com um sorriso no rosto e um brilho nos olhos, reflexo da beleza verdadeira que existe em mim.


Maquiagem sim, exagero não.

--

ps: O título do post faz uma referência a música "Salão de Beleza" do Zeca Baleiro. Esse texto surgiu de umas conversinhas que eu vi no twitter sobre o exagero do uso de maquiagens e da visão que eu tenho diariamente da eterna festa de halloween que existe nas ruas dessa cidade. Mais uma vez não quero ofender ninguém. Também adoro usar maquiagem e sou sim muito vaidosa. É só o meu ponto de vista sobre o assunto e o meu convite para uma reflexão. ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)