31.8.12

Project365

Eu já namorava a ideia de participar do Project365 há algum tempo, mas sempre acontecia alguma coisa para que eu perdesse o foco e esquecesse isso quando as datas importantes para mim se aproximavam. E também não tinha máquina, não tinha celular, não tinha inspiração e o jeito era adiar o projeto para a data seguinte e seguinte.. até que chegou essa semana.

Quem acompanha os meus mimimis pelo twitter já deve ter visto que ultimamente eu ando muito fotografeira. Vira e mexe, aparece uma figura por lá. Figura mesmo, porque eu não sou fotógrafa e não tenho a mínima pretensão chamar aquilo ali de "fotografia". O celular é um Android basicão e a máquina é uma Samsung velhinha que me acompanha há anos! Ou seje, qualidade, não trabalhamos.

Sim, iniciaremos a era gold do retrato trazendo, quem diria, retratos para colorir o blog – ideia super inovadora, só que não. Vai ter exposição da minha figura? Dificilmente. Vai ter comida? Demais! Vai ter muita florzinha, jardim e mato? Concerteza. Vai ser um tédio? Pode apostar que sim! :D

Pretendo publicar o resumo da semana todos os domingos, mas se você não se aguenta de curiosidade para saber o que anda acontecendo na minha vida super it-fashion e emocionante  – çei – é só seguir o retrato lá pelo instagram. :P

Porque não basta ser brega, tem que se amostrar! <3

29.8.12

Ainda sobre as cores

Nesse momento, o céu está com um azul tão bonito, diferente, um azul de tempestade. E eu que sempre gostei de cores mais pacíficas, começo a reconhecer a beleza das cores fortes, imponentes, que revelam as rápidas mudanças do tempo e do nosso destino. Daqui a pouco o azul se esvai em chuva, a mesma que brota em mim de vez em quando. E como toda chuva, dor, alegria, tristeza, raiva e encantamento, tudo passa. E o azul se transforma em verdes e violetas e amarelos no final de tarde.

27.8.12

Vinte e Sete

Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece. 


Soneto de Aniversário - Vinicius de Morais

---


ps. sim, completei vinte e sete anos. :)

21.8.12

Tocando em frente

A casa está transformada. As janelas estão sempre abertas para aproveitar toda a luz natural que existe nesses dias ainda longos e todos os espaços agora vazios de móveis e utensílios estão inundados de sol. Por coincidência até as borboletas voltaram a nos visitar diariamente, mesmo com a inexistência de flores no nosso micro jardim nesse momento.

Enquanto observo todas essas pequenas mudanças radicais no ambiente, percebo também o quanto tudo isso influenciou em mim e em você, que voltou a cantar e a se divertir com violão, a sorrir, a ler em voz alta e a sonhar – quem diria! – com o mesmo brilho nos olhos de antigamente. Você se encontra e se reconhece nas suas leituras, nas suas referências e nos seus autores preferidos, e compartilha as suas reflexões e vontades comigo.

E nós refazemos os planos, as contas, os trilhos e voltamos a considerar novamente as possibilidades que um dia foram descartadas. E a gente volta a seguir de mãos dadas, sorrindo, com a certeza de que estamos trilhando caminhos diferentes, mas que nos levarão ao mesmo lugar.

Pouco importa a falta de móveis, de luxo, de taças, de quadros e de artigos de decoração. Nossa casa está cheia de sonhos, de alegria, de sorrisos, de música, de livros, de vontade de aprender, de coragem para arriscar, de amizade, de companheirismo, de sentimentos, de tranquilidade, de paz e de amor, muito amor. 


--
ps: pronto, fiquei brega outra vez.

17.8.12

Dos vazios

Casa vazia de tudo, cheia de nós e de portas abertas para a liberdade.

--
ps: Estou devendo visitas, e-mails, comentários, carinho, mas já já eu apareço, viu? :)

14.8.12

As minas do Rei Salomão

Então você descobriu que a solução para essa sua sensação de não pertencimento estava o tempo todo ali ao lado. Será que você só não tinha descoberto ainda porque não tinha tido tempo para prestar atenção ou seria então essa uma daquelas surpresas do destino, aquela luz no fim do túnel que aparece vez ou outra para as almas desesperadas? Essa descoberta fez com que caísse sobre mim uma bomba recheada de confetes e de serpentinas brilhantes de felicidade. A tão árdua procura pelo mapa da mina acabou e, agora que ele está em suas mãos, cabe somente a você seguir o seu caminho em busca do seu sonho, que brevemente se tornará realidade. 


Veja quanto livro na estante! 
"Don Quixote", "O Cavaleiro Andante"
 luta a vida inteira contra o rei
Joga as cartas, lê a minha sorte!
Tanto faz a vida como a morte
O pior de tudo eu já passei...

11.8.12

Das prioridades

A casca envelhecida começa a se desprender e aos poucos volto a sentir a brisa fresca tocando a minha pele renovada. Isso me traz uma alegre sensação de liberdade e de vontade de sair de vez desse casulo, de tentar aproveitar o que ainda existe de verão e primavera lá fora. Minha cabeça velha finalmente consegue escutar as necessidades do meu corpo ainda jovem, e aos poucos, consegue se libertar de suas muitas prisões.

Eu tenho me entendido melhor comigo mesma, tenho tentado me descobrir e me aceitar do jeito que sou, com todos esses meus defeitos. Também tenho tentado melhorar em alguns pontos, todos muito importantes para a manutenção do meu bem estar físico e mental, e decidi que definitivamente começaria a cuidar melhor de mim.

Nessa pressa de reconquistar a minha vida, eu acabei nem percebendo o quanto eu estava me deixando de lado. Aquela pessoa desleixada não era eu. Aquela pessoa estressada, mal humorada, sem vaidade, feia e triste, definitivamente, não era eu. Deixar de lado pequenos detalhes fez com que eu quase me perdesse de mim, da minha essência, e perceber isso tudo me assustou.

Felizmente acordei a tempo e consegui identificar algumas falhas, o buraco negro que me sugava e me desviava do que deveria a ser minha prioridade: eu. Descobri que, apesar da rotina maluca, posso ter sim tempo demais para mim. É tudo uma questão de organização e de estabelecer algumas prioridades. O resto que se adeque, que se adapte e se encaixe na minha rotina. A vida é muito breve para perder tempo com coisas desnecessárias.

7.8.12

Pedrinha Miudinha

Esses dias amargos são importantes para que nós possamos reconhecer o sabor de todos os outros. Quando paro para analisar friamente, essas pedrinhas nos nossos sapatos são tão insignificantes! Apesar do fel e das reclamações, não deixei nem um dia de me sentir feliz e abençoada por poder enfim viver e lutar para superar todos esses obstáculos. Eu continuo preferindo olhar a paisagem incrível lá fora e admirar todas as coisas bonitas que sempre aparecem no meu dia. Dentre todas as alegrias, a maior é ter você ao meu lado, brincando com o meu cabelo e cuidando de mim, principalmente nesses meus dias ruins.

Chega de tristeza nesse meu retrato, meu lugar de coisas bonitas onde todo dia é primavera.


4.8.12

Amargo

Durante toda a minha vida eu fui uma pessoa extremamente diplomática, extremamente. Muitas vezes engoli o meu orgulho amargo e até assumi erros que não eram meus, apenas para facilitar a resolução de um problema ou para evitar que outros maiores acontecessem em decorrência da minha postura.

Finalmente percebi que, até hoje, a única pessoa que realmente sofria e perdia o gosto pela vida com esse comportamento era eu. Só eu. Todos seguiam radiantes de felicidade e donos da razão enquanto eu, burramente, engolia o choro e seguia cambaleando para juntar os restos de mim espalhados pelo caminho, adaptando os meus passos para me adequar a uma realidade que não me pertencia.

Eu sempre tentei pensar no bem estar de todos, mas não funcionou. Enquanto eu, em vão, me esforçava para isso, ouvia constantes insinuações e acusações embaladas em falsos elogios. Ontem foi a gota d’água, ontem eu ouvi tudo o que eu precisava ouvir para finalmente acordar desse pesadelo e sair das trevas em que vocês me aprisionaram.

A verdade é que eu desisti. Desisti porque não existe ser humano nesse mundo capaz de carregar um fardo tão pesado como esse sem se cansar. Finalmente entendi que não existem seres humanos envolvidos nessa história, existem monstros que me acusam de sofrer de loucura quando percebem a força dos tênues traços da minha lucidez. Os doentes dessa história na verdade são vocês e eu não vejo sentido em continuar lutando por uma convivência pacífica impossível de se conquistar nessa realidade.

Eu finalmente entendi, aprendi e decidi que, de agora em diante, eu só me responsabilizo por mim: pelos meus atos, pelas minhas decisões e pelos meus erros. Eu decidi que de agora em diante, egoisticamente, eu estou em primeiro lugar e continuarei assumindo todos os meus futuros atos de cabeça erguida, com consciência de que esses sim pertencem a mim. E que cada um siga construindo a sua própria prisão e fazendo as suas próprias escolhas. A minha, no caso, foi me libertar.

3.8.12

Common Blue

Parece que a lagartinha aqui se cansou da escuridão do casulo e resolveu que quer ser borboleta, nem que seja só por um dia.