14.9.12

A montanha

No momento estou a caminho do ponto mais alto da montanha russa, ouvindo o barulho dos trilhos e sentindo o tremor do carrinho, que se mostra inseguro e me faz pensar se esse chacoalhado todo é dele mesmo ou se é apenas um reflexo do meu medo. A sequência eu já conheço e confesso que não vejo a hora de jogar os braços para o alto e aproveitar o vento no meu rosto para gritar e tirar todos os meus monstros de mim. Dessa vez, quando eu estiver no solo segura outra vez, vai ser diferente. Estou decidida a descer.



"Nem tão longe que eu não possa ver,
Nem tão perto que eu não possa tocar,
Nem tão longe que eu não possa crer
que um dia eu chego lá..."

Um comentário:

  1. Tenho sentido falta dessa sensação de jogar os braços e gritar tudo o que me afinge... as vezes não temos espaço pra isso, mas é preciso! Boa jornada de pés no chão!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)