28.10.12

Project365 - #9

[Domingo - 28.10.12 - 63/365]
Dia muito frio, muito chuvoso. Fomos conhecer a cidade de Swindon, que fica a uns 50 minutos de carro da cidade onde moramos, A viagem foi feita especialmente para ir a um restaurante brasileiro e sim, nos esbaldamos. Comemos churrasco, rodízio, feijão, arroz, farofa, pão de queijo e tudo mais até passar mal. Adoro carrosséis e fiquei contente quando me deparei com esse pequenininho no centro da cidade.
[Sábado - 27.10.12 - 62/365]
Dia de bater perna no centro da cidade e entrar na rota da Zombie Walk sem querer. Muitas fantasias legais, muita gente participando da brincadeira. Eu gostaria muito de ter tirado uma foto melhor, mas só saiu essa para ilustrar. =~~ 
[Sexta-feira - 26.10.12 - 61/365]
Foi um dia frio daqueles, mas o céu estava incrivelmente limpo e o sol brilhava tanto  que era impossível caminhar pelas ruas sem óculos escuros. Dia lindíssimo. Se estivesse um pouquinho mais quente... =~~
[Quinta-feira - 25.10.12 - 60/365]
Voltando para casa depois do trabalho, acabei passando em frente a esse pub que fica pertinho da nossa casa que já era um pub antigo em 1500. Caminhar pelas ruas de uma cidade de um continente tão velho é mesmo incrível. A cada esquina você se depara com um lugar assim, que já passou por tantos dias e tem tantas histórias para contar..
[Quarta-feira - 24.10.12 - 59/365]
Como eu imaginava, acabei devorando o livro do Lobão e terminei hoje. Esse aí é um trechinho do epílogo, com o qual eu me identifiquei bastante, sobre o amor e a insatisfação.
[Terça-feira - 23.10.12 - 58/365]
Fomos à biblioteca central para que ele pudesse escolher alguns livros e, enquanto eu o esperava, fiquei lendo sentada no chão de um dos corredores. Quando olhei para frente dei de cara com uma estante dedicada a Virgínia Woolf, que eu nunca li. Acho que já está na hora de conhecê-la. 
[Segunda-feira - 22.10.12 - 57/365]
O livro da semana - ou dos próximos dois dias porque do jeito que eu estou lendo é bem capaz de acabar antes - é esse aí. Gostando ou não do Lobão, acho que é uma leitura obrigatória para quem gosta de música e para quem quer conhecer alguns causos interessantes dos bastidores do cenário musical tupiniquim.  

27.10.12

Das lembranças


O frio de menos três graus da manhã de hoje foi um detalhe totalmente ofuscado pela luz do sol, um convite irresistível a um passeio pelas ruas da cidade. Apesar da enorme quantidade de pessoas percorrendo os mesmos caminhos, os meus passos eram solitários. As esquinas, os redemoinhos de folhas amareladas, os livros, os acordes tocados pelos músicos das ruas, os cafés, os ruídos da vida, tudo fazia com que eu me lembrasse de você. Só eu e Deus sabemos o quanto eu queria estar caminhando ao seu lado. Segui em frente por mim e por nós dois. E a cada praça, a cada distância percorrida, a cada lembrança, eu sorria. Era tanto amor que eu sentia que acabou não sobrando nenhum espacinho para tristeza. 

25.10.12

Doces Verdades #9


“Sou muito duro comigo e gosto disso... Dependo disso para continuar crescendo... Portanto, não tenho muitos pruridos em ser duro com os outros ao meu redor. Pois isso é amor. Porque amor é um sentimento dinâmico; se a gente se acomoda e se sacia, ele evapora e vai embora. Amor tem muito a ver com insatisfação... É uma espécie de desequilíbrio que, só assim, nos leva à plenitude. E a felicidade não está em lugar nenhum a não ser no processo, na alma de quem consegue desfrutar dela. É a única maneira de ser feliz.”

[50 anos a mil – Lobão/Claudio Tognolli – página 590]


Acabei de ler a biografia do Lobão e adorei conhecer um pouco mais sobre a sua história, que inevitavelmente se mistura com a história da música brasileira. Livro muito bom, muito bom mesmo. Gostei tanto desse trechinho do epílogo! Achei que deveria compartilhar com vocês.  

24.10.12

Dos outros


Pensar em tudo que se passou,
Que se pôde sonhar e não realizou
A vida tentando escapar,
Mas não por agora

Ao mesmo tempo tanta coisa se amou,
Se refez, se perdeu, se conquistou,
Retratos estampados do nosso amor,
Em preto e branco, pregados na parede,

Revelando pra sempre a gente,
Nosso orgulho um do outro,
Olhando pra lente como quem dissesse
"não queremos mais nada nesse mundo"

E que me lembrasse a cada instante
Que valeu a pena cada lance,
E que valerá, tenha certeza, pra toda a vida
Vou levar, vou te levar,
Pra onde for, vou te levar...


[Lobão - Vou te levar]

23.10.12

Piercing


Enquanto você chorava, eu, sem demonstrar absolutamente nada, alcancei o meu nível máximo de desespero. Não existe nada mais triste que ouvir o seu grito de socorro, enquanto sangra por dentro. Eu tenho tentado, eu tenho buscado a resposta em todos os anúncios, em todos os muros, lojas, semáforos, praças e cafés dessa cidade. Nada. Enquanto isso, os seus olhos continuam fechados por conta de tanta dor. Nenhuma pista, nenhuma saída em vista desse túnel de escuridão sem fim. Enquanto eu dou voltas e voltas nesse redemoinho, vejo sorrisos estampados nas vitrines, alegria impressa em cartazes coloridos e fico assim, cada vez mais angustiada, repetindo incessantemente que eu só posso estar procurando no lugar errado. Enquanto vejo o reflexo do meu rosto do outro lado, lembro que é tudo farsa, tudo luz, edição e maquiagem. Dou meia volta e saio cantando baixinho que lugar de ser feliz não é supermercado

21.10.12

Project365 - #8

[Domingo - 25.10.12 - 56/365]
Dia de aproveitar o nosso tempo livre para tentar descansar um pouco, colocar a conversa em dia e  reajustar alguns planos. O dia foi chuvoso e frio e a vontade de sair de casa era nenhuma. A noite fizemos um jantar a luz de velas. Namorar é sempre bom.
[Sábado - 20.10.12 - 55/365]
Uma coisa que eu aprendi a valorizar muito por aqui foi a luz do sol. O céu azul é um convite para aproveitar esses dias ainda claros, mas o vento gelado não deixa ninguém esquecer que o inverno está a caminho. 
[Sexta-feira - 19.10.12 - 54/365]
Dia de sol lindo e de bater perna no centro da cidade. Aproveitei que a Boots estava com uma promoção maravilhosa e comprei umas maquiagens. Na volta passei pela galeria de arte 'See No Evil' que enche as ruas da cidade de cor.
[Quinta-feira - 18.10.12 - 53/365]
Finalmente recebi a minha cópia da chave do nosso Flat, que só veio ficar pronta hoje, mil anos depois da nossa mudança. Todo dia era um perrengue para ver quem deveria ficar com a cópia única...
[Quarta-feira - 17.10.12 - 52/365]
Dia de ir ao trabalho voluntário e de aproveitar o restinho da tarde lendo nos corredores da biblioteca - de novo.  Confesso que olho o site de empregos todos os dias com esperança que apareça uma vaga para trabalhar nesse lugar.  Um dia aparece.
[Terça-feira - 16.10.12 - 51/365]
Dia atípico de folga dele e eu não poderia perder a oportunidade de levá-lo aos lugares que mais gosto aqui. Depois de passar a tarde no museu, fomos para a biblioteca central - que até então ele ainda não tinha tido a oportunidade de conhecer. O resultado da visita foram duas bolsas cheias de livros para ler nos próximos dias. :)
[Segunda-feira - 15.10.12 - 50/365]
Depois de uma segunda-feira daquelas, minha única amiga aqui me contou que havia pedido demissão e que iria voltar para o seu país. Enquanto colocávamos a conversa em dia no estacionamento da loja onde trabalhamos ela avistou essa joaninha. Disse que era sinal de sorte para nós. Espero que sim. 

20.10.12

Aviso aos navegantes

Eu já escrevi umas mil vezes por aqui que eu penso demais, isso não é novidade. O que acontece é que em alguns dias eu preciso transformar essa tempestade de pensamentos em palavras, para tentar reorganizar as ideias aqui dentro. Dependendo do meu humor e do tom de cinza lá de fora, algumas das minhas reflexões soam como reclamação, o que não é verdade.

Há alguns dias eu venho pensando sobre algo que tem me incomodado bastante, sobre o fato de alguns dos meus textos aqui refletirem a imagem de uma pessoa que eu não sou na realidade, alguém inerte que está sempre reclamando de barriga cheia. Muita gente sabe que não é bem assim, mas nunca é tarde para avisar aos que chegam por aqui ao acaso e se deparam com essas minhas histórias sem pé e sem cabeça.

Eu escrevo sobre momentos meus, bons e ruins. Os bons sempre são mais curtos porque a minha imaginação se perde na minha felicidade. Nos meus momentos ruins eu sou capaz de escrever páginas e páginas, analisando prós e contras e porquês que só podem fazer mesmo algum sentido para mim. Nesses mesmos dias eu sempre acabo publicando alguma ponta de pensamento solto por aqui, para que eu possa me lembrar dos acontecimentos e ver as consequências e os resultados desse momento na minha história.

Não se engane. Sempre que você encontrar uma reclamação por aqui, tenha a certeza de que algo já está sendo feito nos bastidores para que a situação mude. Se existe algo que eu agradeço a Deus todos os dias, em todos os momentos, é essa minha inquietação nata. É isso que me faz buscar novas possibilidades, aprender com os meus erros, buscar novos caminhos e seguir em frente todos os dias.

"Não sei onde eu tô indo,
Mas sei que eu tô no meu caminho.
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho.
Eu sou o que sou porque eu vivo da minha maneira.
Só sei que eu sinto que foi sempre assim minha vida inteira.
Não sei onde eu tô indo,
Mas sei que eu tô no meu caminho.
Enquanto você me critica, eu tô no meu caminho.
Você esperando respostas, olhando pro espaço
E eu tão ocupado vivendo, eu não me pergunto, eu faço!"
(...) 



--
ps: Só para constar e para evitar qualquer tipo de aborrecimento, intriga, discussão ou julgamento, esse texto não é uma indireta e não foi escrito para alguém especificamente. Quis escrever e escrevi. Ponto. Também não custa nada lembrar que a minha vida é real e que esse blog é escrito por uma pessoa normal, e não por uma pessoa feliz durante as vinte e quatro horas do dia – essas pessoas só existem no Facebook. ;) 

17.10.12

This is not who you are

Foi o que eu consegui dizer em resposta aos questionamentos que ela fazia, tentando em vão procurar uma resposta pronta, um aviso ou um sinal para dar o próximo passo. Parecia que eu estava em frente a um espelho, ouvindo a minha própria voz e os meus pensamentos mais íntimos ecoando no estacionamento meio vazio no final de tarde.

A mesma angústia, a mesma inadequação, a mesma vontade e o mesmo medo. Apesar de estarmos vivendo momentos parecidos, nesse diálogo o meu papel era encorajá-la. Então eu disse tudo que eu desejava que alguém um dia dissesse para mim, de coração. Foi aquele soco no estômago, aquele choque de realidade que nos faz colocar a cabeça no lugar e lembrar que tudo isso não passa de uma experiência, uma história para contar.

Ela disse que iria pensar mais um pouco e que iria me escrever caso decidisse pedir demissão. Nos despedimos com um abraço desajeitado e seguimos por diferentes caminhos. Voltei para casa pensando em tudo que eu disse, em todo o meu entusiasmo para mostrar os pontos positivos em qualquer que fosse a sua decisão, em toda a minha segurança para dizer que ela não se preocupasse que, de um jeito ou de outro, daria tudo certo. Olhei para o meu reflexo cansado e triste na janela do ônibus vazio em que estava e repeti baixinho para mim mesma: this is not who you are.

14.10.12

Project365 - #7

[Domingo - 14.10.12 - 49/365]
Para não romper a tradição da nossa casa, domingo foi dia de pizza. Resolvemos experimentar uma de "Pimenta Mexicana" e olha, nunca mais! Além da decepção com a pizza, ainda queimei a minha mão desastrosamente no forno maluco dessa casa. Que dó, que dó...
[Sábado - 13.10.12. - 48/365]
Dia de folga dele, de passear pelo centro, de fazer compras e  de terminar o dia com uma sessão pipoca. Assistimos o tal do "comer, rezar e amar" e do "cilada.com", mas o que salvou a noite mesmo foi "o homem do futuro"! Wagner Moura se superou.
[Sexta-feira - 12.10.12 - 47/365]
Se tem uma coisa que eu adoro é andar prestando atenção a todos os detalhes do meu caminho. Como agora estou morando no centro, o percurso para o trabalho deixou de ser feito a pé para ser feito de ônibus. Passei em frente a essa casinha e não resisti! Tem como não achar o outono lindo?
[Quinta-feira - 11.10.12 - 46/365]
Dia de voltar ao trabalho e de passar o meu intervalo folheando revistinhas de moda, já que não tinha nada mais interessante para ler. Essas revistas tem umas figuras lindíssimas, mas elas são surreais demais para mim...
[Quarta-feira - 10,10.12 - 45/365]
Eu tentei, eu juro que eu tentei umas mil vezes, mas não deu certo.  O Hans até tentou me animar lendo empolgadamente a tão famosa passagem que diz que "the only people that interest me are the mad ones, who are mad to live, mad to talk...". Sorry Kerouac, fica para uma próxima estação.
[Terça-feira - 09.10.12 - 44/365]
Mais um dia chorando e tentando acalmar a Emma que existe em mim. Autoconfiança também seria um presente muito bom para mim. Velas aromáticas também seriam uma boa, porque esse cheiro de carpete anda acabando com o meu nariz.  
[Segunda-feira - 08.10.12 - 43/365]
Acabei pegando esse livro na estante da biblioteca sem pensar, já que estavam fechando as portas e eu precisava ler alguma  coisa mais leve. Péssima escolha que me fez terminar o livro e a segunda-feira morrendo de chorar.

12.10.12

Coração de Estudante

Morar mais perto da vida da cidade e dos seus cafés, restaurantes, parques e universidade só fez com que a nossa vontade de voltar a ser estudante aumentasse cada vez mais.

Ele nasceu para a carreira acadêmica, todo mundo que vê os olhos dele brilhando quando ele ensina sabe e ele também, e é por isso que ele anda completamente perdido por estar tão longe do universo ao qual pertence. Agora o incômodo ficou maior, o que é ótimo já que é essa angústia que nos leva a tomar algumas atitudes e decisões necessárias.

No meu caso, essa ideia de voltar à universidade ainda é prematura, já que eu definitivamente preciso resolver todos os meus problemas com o inglês e com o alemão se eu quiser um dia ter a chance de estudar fora de casa. Nada que um pouco de foco e concentração não resolva, já que vontade é o que não falta.

Então esse é o nosso objetivo maior de agora em diante, voltar para a universidade. Como nós vamos fazer isso é que é a grande questão, já que não existe tempo e dinheiro suficiente para estudar e pagar as contas básicas de todo mês. Tem que ser um passo, uma loucura de cada vez. Coragem é o que não falta.

(...)

Durante todo o tempo que estivemos aqui, essa foi a primeira vez em que eu comecei a pensar na ideia de voltar para casa.

10.10.12

One day

Percorri rapidamente as estantes da biblioteca em busca de algo leve, muito bobo e alegre para me fazer companhia nos próximos dias e para curar a melancolia que estava sentindo após ler Heavier than Heaven. Eu tinha a intenção de encontrar a Meg Cabot, mas acabei encontrando a Anne Hathaway na capa de outro livro e resolvi pegá-lo achando que história seria parecida com uma daquelas aventuras adolescentes da querida princesa de Genóvia. O nome do livro era “One Day” e, para o meu propósito inicial de leitura leve, eu não poderia ter feito escolha pior.

Emma Morley me fez refletir sobre tudo que eu fiz até então e sobre tudo que pretendo um dia fazer. Me fez pensar em como eu era há dez anos, nos meus sonhos e nas minhas perspectivas para o futuro e, acima de tudo, me fez chorar com a triste imprevisibilidade das despedidas.

9.10.12

Das definições

Eu não tinha mais que oito anos de idade quando minha vó, com toda a sua experiência, conseguiu me definir com apenas uma palavra: impressionável. Lembrei – como quem leva um susto – da tarde em que ela repreendeu um primo mais velho que me contava uma daquelas histórias de terror de interior mirabolante. Ao me observar com os olhos muito espantados ela disse: não faça isso, ela é muito impressionável.

Minha vó não poderia estar mais certa. Eu ainda me impressiono muito facilmente com histórias e com exemplos que vejo por aí, assim como me sensibilizo e me emociono com vitórias e com derrotas de pessoas que nem sonham com a minha existência. Ainda não sei até que ponto isso deixa de ser virtude para se tornar um defeito, mas tenho tentado buscar um equilíbrio para que essa minha característica não me faça tanto mal.

Enquanto isso, vou me inspirando com as vitórias dos personagens da literatura e da vida real, vou me emocionando com as perdas e com as dificuldades que cada um encontra pela frente e vou seguindo com o coração e com a cabeça cheio de recortes de histórias bonitas, sejam elas reais ou imaginárias.

7.10.12

Project365 - #6

[Domingo - 07.10.12 - 42/365]
Apesar do sol tímido e do vento frio, o dia foi muito bonito. Aproveitamos a tarde para caminhar pelo centro da cidade que tem os muros decorados com verdadeiras obras de arte. Esse era só um detalhe de uma das inúmeras pinturas que existem por lá. Esse "túnel" também está todo pincelado, pena que não dá para enxergar.
[Sábado - 06.10.12 - 41/365]
Tarde linda de sol, de muita gente nas ruas, de piqueniques, de churrascos e de conversas nos gramados da cidade. Desejei que o domingo pudesse ser tão bonito quanto hoje, para que ele possa aproveitar melhor o dia de folga passeando comigo.
[Sexta-feira - 05.10.12 - 40/365]
Dia de finalmente poder inaugurar o fogão da casa, que não estava funcionando desde o dia em que chegamos aqui, e de fazer o nosso primeiro jantar comemorativo. A foto ficou péssima porque eu sempre esqueço de tirar antes de começar a comer, quando o prato está apresentável. Sorry. 
[Quinta-feira - 04.10.12 - 39/365]
Passei a tarde resolvendo algumas pendências burocráticas  através da internet da biblioteca e depois de terminar tudo o que tinha para fazer, fiquei sentadinha no sofá do café lendo o meu livrinho. Eu prefiro estar em um  ambiente assim, cheio de vida e de livros, que sozinha em casa. 
[Quarta-feira - 03.10.12 - 38/365]
Dia frio e de muita chuva. Passei o dia inteiro embaixo do edredom e escolhi esse livro para me fazer companhia.  Vou da admiração ao ódio extremo pelo Cobain em questão de parágrafos e não consigo parar de devorar as páginas envelhecidas. 
[Terça-feira - 02.10.12 - 37/365]
Dia de ir para o trabalho voluntário no prédio da biblioteca central, que agora fica praticamente do outro lado da rua em que moro. Aproveitei o final da tarde para ficar na pracinha lendo o meu livro e usando o WiFi free para ver os meus e-mails.
[Segunda-feira - 01.10.12 - 36/365]
As cores do outono estão em todos os lugares. Nas praças, nas árvores, nas folhas e nos casacos apressados que atravessam as ruas. Dia mais que especial, de comemorar mais um ano de vida dele e da minha sorte de tê-lo encontrado.

6.10.12

Heavier Than Heaven

Nessa mesma época, no ano passado, ele encontrou a biografia do Kurt Cobain em um sebo por cinquenta centavos. Ele voltou para casa eufórico com o livro nas mãos e disse que havia comprado para mim, para que eu pudesse conhecer um pouco mais sobre uma das pessoas mais importantes e inspiradoras da vida dele. Tentei ler, mas por conta da minha dificuldade com a língua inglesa na época, a leitura não fluiu. Nessa quarta-feira, enquanto organizava os nossos livros, encarei novamente aqueles olhos expressivos na capa e decidi que tinha chegado a hora de tentar outra vez.

Comecei a ler às cinco da tarde e não consegui parar. Cada minuto livre era destinado a conhecer um pouco mais sobre a história dessa pessoa tão triste, tão perturbada por tantos fantasmas internos. Acabei a leitura ontem à noite e ainda estou aqui remoendo as palavras, tentando digerir tantos acontecimentos, tantas tragédias. Conhecer as histórias escondidas nas entrelinhas das suas músicas também foi incrível, assim como poder conhecer um pouco sobre a sua infância e sobre os passos que o levaram ao “Nirvana”. 

Apesar de toda a autodestruição, da personalidade difícil, dos medos e da baixíssima autoestima, ele acreditou e lutou muito para conseguir realizar o seu sonho: ser músico. Dentre todas as outras, essa foi a mensagem que mais me marcou, a de que você definitivamente deve acreditar e lutar para realizar o seu sonho. Também pensei na dor e no peso que existir nas costas de alguém que é mundialmente julgado por tudo, e como Yoko e Love são mulheres incríveis e fortes.

4.10.12

Doces Verdades #8

Quanto menos algumas pessoas souberem da sua vida, melhor. Acredite.

1.10.12

October

O dia primeiro e sempre o mais importante e mais bonito. Que eu tenha mais mil outubros ao seu lado. Feliz aniversario meu amor.

--
ps: post sem acento e sem criatividade, patrocinado pelo wifi fraco que encontrei sem querer na porta da cozinha. Internet em casa mesmo so no dia 1 de novembro. Um beijo pra voces. :~~