30.11.12

De malas prontas


Novembro está de malas prontas, só esperando o táxi para finalmente poder dizer tchau. Já pediu desculpa por toda a bagunça que fez em nossa casa durante o tempo que esteve aqui e está ali dizendo que volta para nos visitar no ano que vem.  Essa história de fim de mundo é uma conversa furada de alguém que usou a versão beta do google tradutor de maneira muito errada e deixou esse documento assim, todo esculhambado – disse sorrindo. Enquanto dou mais um gole no meu café, explico que ele pode ir com a consciência tranquila e que sempre será bem vindo em nossas vidas.

--
ps: Vou já colocar todas as minhas vassouras lá atrás da porta. Se for para bagunçar, nem venha viu seu novembro.. :P

27.11.12

Sobre o inverno


[Interrompemos a programação diária de reclamações e breguices para uma pesquisa de utilidade pública]

No ano passado tivemos apenas uma pequena amostra do que é um inverno. Parece que a natureza ficou comovida com o nosso encantamento pelas quatro estações e resolveu nos presentear com pouco frio. Nevou apenas durante um dia e a chuva lavou toda a neve logo em seguida. Nós estávamos apreensivos com a experiência, mas felizmente não sofremos tanto assim.

Nesse ano, a natureza quis nos mostrar mais ou menos como é que é um inverno de verdade. O outono já foi gelado, mas nessa última semana a temperatura caiu drasticamente. Gente do céu, que frio! O vento gelado no rosto é o que mais me incomoda e tem me feito sofrer com enxaqueca e sinusite diariamente. Sempre que saio na rua tenho a impressão de que não me vesti direito e ando sofrendo um bocado. O que é que eu faço?

Até o flat em que estamos morando é frio. A inteligentíssima pessoa que projetou esse prédio instalou os aquecedores minúsculos nos lugares mais inúteis possíveis e eles não esquentam a sala. Bateu até um arrependimento danado de ter se mudado para cá, a outra casa em que estávamos era tão quentinha! Paciência já que não tivemos mesmo outra escolha na época da mudança. Paciência.

Você, querida leitora que já enfrentou vários invernos, tem alguma dica boa e quente para me dar? Vou ficar muito agradecida! :) 

26.11.12

Das constatações


Felicidade é ter uma semana todinha sem hora certa para acordar, um edredom quentinho para curtir o dia de chuva e um montão de filmes legais para ver com você ao meu lado. É poder caminhar um pouquinho pela cidade quando o sol resolve aparecer e poder pisar firme no chão, sem medo de escorregar. É beber vinho, dar gargalhada e fazer careta sem medo de passar vergonha. É tentar registrar o sorriso de um dia bom no espelho da sala. É poder ter certeza de que nós gostamos mesmo é de estar juntos, em qualquer lugar, e mais nada.


--
ps: Para quem estiver curioso, fica aqui a listinha de filmes do final de semana mais chuvoso do mundo: 
A máquina; Meu país; Céu de Suely; Raul - O início, o fim e o meio; O engarrafador de sonhos; Amarelo Manga; O silêncio dos inocentes e O Auto da Compadecida – os três últimos vimos pela 156253648966525635723825438 vez e não cansamos de repetir.

25.11.12

Project365 - #13

[Domingo - 25.11.12 - 91/365]
Um achado da nossa tarde na Waterstones: Darth Vader and Son. Dá uma olhada aqui nessas imagens do livro e me diga se não é para morrer de rir das situações. Óbvio que tinha muitas outras coisas interessantes por lá, mas não deu para superar essa imagem não. :P  
[Sábado - 24.11.12 - 90/365]
Dia de bater perna na feirinha de natal alemã que se instalou no centro da cidade. Tudo muito bonito, tudo muito gostoso, mas é IMPOSSÍVEL se sentir feliz e confortável num Biegarten nesse frio dos infernos. Foi mal galere.
[Sexta-feira - 23.11.12 - 89/365]
Caminhando pelos mercadinhos da vida, encontrei uma banquinha só de gorros e chapéus engraçados. O melhor é que não é difícil encontrar alguém na rua usando um gorro com cabeça de ursinho e outros bichinhos. Adorei o descabelado de vermelho, mas ainda não tenho coragem para comprar um gorrinho assim não. :P
[Quinta-feira - 22.11.12 - 88/365]
Depois de um dia mega cansativo de trabalho, precisamos renovar as forças e nada como um cuscuz quentinho com carne e cogumelos para forrar o bucho. Detalhe para a cerveja dele e para o meu cuscuz amarelinho delícia. 
[Quarta-feira - 21.11.12 - 87/365]
Fui ao shopping rapidinho para resolver umas pendências bancárias e dei de cara com a decoração de natal mais extravagante do universo. Eles usaram uns pisca-pisca GIGANTES para decorar o shopping, além das tradicionais árvores/luzes/noéis clichês de sempre. Tinha muita luz piscando ao mesmo tempo e a foto ficou assim uó. 
[Terça-feira - 20.11.12 - 86/365]
Ele comprou uma caixa especial de cerveja Scarecrow com vários "sabores diferentes" e sempre que ele experimenta um sabor novo, passa horas e horas me explicando a diferença entre um e outro, o porquê se ser boa ou não e esses outros detalhes de gente que bebe porque aprecia, e não apenas para encher a lata. Blá blá blá perdido porque eu detesto cerveja e para mim todas tem o mesmo gosto amargo de papel de pão molhado. Já falei para ele escrever sobre o assunto, mas ele tem outras prioridades. Detalhe para o meu look de praticamente todos os dias dentro de casa. Esse roupão fofinho de corações é tipo um abraço. <3 
[Segunda-feira - 19.11.12 - 85/365]
Dia de recomeçar tudo de novo outra vez. Hoje o dia foi de muito trabalho para mim e de estudo para ele, que estava se preparando para uma provinha básica do curso de inglês. 

21.11.12

Nova vida


Eu pude imaginar o tamanho do seu sorriso através da voz alegre da minha mãe e do seu orgulho ao me informar que finalmente seria avó. Tia-avó – corrigiu em seguida, mas coração de mãe não reconhece muito bem essas miudezas classificatórias que as pessoas inventaram para nomear as fotografias nos álbuns de família e, em seguida, ela se corrigiu outra vez: tia-avó não, só avó mesmo.

Tentei imaginar o tamanho da sua felicidade e surpresa ao receber esse presente tão esperado de maneira tão desavisada. Tentei imaginar a casa aos domingos, cheia de gente outra vez, cheia de barulho, de música, de criança e de vida. Fiquei feliz por tudo, por você e pelo presente que você está dando a nossa família e principalmente à minha mãe, que sempre nos amou do mesmo jeito. Não tenha dúvida, ela estará sempre ao seu lado ajudando nesses momentos em que mães são extremamente necessárias.

Entre um aperreio e outro, a vida se encarrega de mostrar que é sim muito bonita e que gosta mesmo é de enfeitar o nosso caminho para que ele não deixe nunca de perder a graça. Por aqui é sempre assim e acredito que com vocês deve ser do mesmo jeito. Enquanto sacudimos a poeira das nossas quedas, outras pessoas celebram a realização de seus sonhos e a vida segue.


-- 
ps: Sim, voltei ao estado brega de ser de antes porque eu não tenho jeito. Os parágrafos também continuam mais confusos e mais mal escritos que nunca. Então tá tudo em paz. :)

18.11.12

Project365 - #12

[Domingo - 18.11.12 - 84/365]
Depois da orgia gastronômica de ontem, a consciência pesou e nós decidimos passar o dia na base da sopinha. Como o dia foi super frio, deu foi certo. Alimentou e esquentou ao mesmo tempo.
[Sábado - 17.11.12 - 83/365]
Dia de enfiar o pé na jaca e progredir bastante no projeto verão ao contrário que anda acontecendo nessa casa. Hoje foi um negócio sério e isso aí foi só o que sobrou para mostrar. Preciso parar de comer doce/nutella/sorvete/bolo e qualquer outra coisa pelos próximos dias, ou então chegarei fácil fácil aos 200kg. E o inverno ainda nem começou! :(
[Sexta-feira - 16.11.12 - 82/365]
Impossível não abrir um sorriso daqueles sempre que eu estou pelo zoológico e vejo os Suricatas/Meerkats. Nessa semana tinha uns filhotes bem pequenininhos aprendendo a ficar sentadinhos assim como os pais. Esse aí resolveu até fazer pose para mim, A natureza é incrível.
[Quinta-feira - 15.11.12 - 81/365]
Dia de ir para o trabalho voluntário e contemplar um pouquinho a beleza que esse ambiente  trás para os meus dias. Deu uma vontade danada de passar o resto da tarde nesse banquinho, pensando nas coisas boas e bonitas da vida. 
[Quarta-feira - 14.11.12 - 80/365]
Comprinhas (des)necessárias para deixar o mundo mais leve e divertido.  Não tem quem aguente viver nesse mundo de concreto escuro. Tem que desopilar, tem que colorir.
[Teça-feira - 13.11.12 - 79/365]
Agora é oficial. As luzes de natal tomaram conta da cidade, das casas, das lojas, dos parques... É tanta luz diferente brilhando ao mesmo tempo que dá dor de cabeça
[Segunda-feira - 12.11.12 - 78/365]
Impossível não amar as cores que o outono trás para a vida. Esse amarelo era tão lindo e tão brilhante que a árvore parecia estar coberta de ouro. Lindo!

17.11.12

Das poeiras


"Reconhece a queda e não desanima
Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima"
---


Sacudindo a poeira e seguindo em frente, sempre.

15.11.12

Homesick


Nunca antes na história da minha vida eu chorei tanto como nos últimos dois dias. Chorei com saudade de casa, chorei pelas escolhas erradas, chorei pela falta de coragem e pelo medo imenso que estou sentindo agora. Não dormi e vi o dia amanhecer só depois das sete horas. Levantei e preparei o nosso café, me arrumei como se nada tivesse acontecido, tentei esconder as olheiras com maquiagem e saí para honrar os compromissos dessa vida de adulta. Sorrindo por fora, destruída por dentro. Ninguém disse que seria fácil.

11.11.12

Project365 - #11

[Domingo - 12.11.12 - 77/365]
Dia de visitar amigos e comer muito feijão com farofa. Sou apaixonada por essas meninas lindas aí de cima,  elas são O charme na decoração do ambiente.
[Sábado - 10.11.12 - 76/365]
Conseguimos bater o mais novo record de dias bonitos seguidos na mesma semana. Foi um dia extremamente agradável, apesar do vento gelado no rosto. Êita outono véi descompensado...
[Sexta-feira - 09.11.12 - 75/365]
Ele sabe que eu amo qualquer coisa que tenha frutos do mar pelo meio e trouxe esse Laksa de camarão para que eu pudesse experimentar. Foi aprovado! :)
[Quinta-feira - 08.11.12 - 74/365]
Por motivos aleatórios do dia, acabei perdendo o meu ônibus e  fiquei um tempão esperando o próximo para poder ir ao trabalho. Pelo menos a vista era bonita e tinha wifi liberado. :P
[Quarta-feira - 07.11.12 - 73/365]
Dia de folga no meio da semana é um convite irrecusável para ficar embaixo do cobertor e para assistir vários e vários filmes. Magnólia foi o melhor da noite.
[Terça-feira - 06.11.12 - 72/365]
Foi um dia lindo de sol e céu azul também, mas muito, muito frio!. Essa aí foi a surpresa que eu encontrei no meu caminho para o trabalho: gelo. 
[Segunda-feira - 05.11.12 - 71/365]
Depois de muitos dias cinza, finalmente tivemos uma trégua e um dia de céu azul com nuvens que mais pareciam algodão doce. 

10.11.12

Prêmio Liebster


Fui indicada ao Prêmio Liebster pela Luana e passei a manhã inteira tentando realizar a árdua tarefa de eleger as minhas 11 coisas preferidas do mundo inteiro. Tentei fugir do óbvio, mas foi quase impossível. 


11. Noite 
Eu nasci coruja e herdei a insônia do meu pai. Eu realmente funciono melhor quando o sol vai embora e, com certeza, é o meu horário preferido para fazer coisas produtivas.

10. Banho 
Chegar em casa cansada depois daquele dia uó, correr para o chuveiro e ficar por lá, imóvel, fingindo que está numa cachoeira – quem nunca? Antes de morar aqui eu costumava amar banho gelado, mas o banho quente roubou meu coração, até porque né? Frio do cão.

9. Receber amigos em casa
Tem coisa melhor do que encher a casa com gente querida? Poder comer, beber, cantar, conversar besteira sem hora para voltar para casa? Encher o chão da sala de almofadas, colchonetes e poder se jogar sem medo de ser feliz, adormecer ouvindo o som do violão e da risada das pessoas que você gosta? Tem não gente.

8. Blogs Diarinho 
Minha paixão por blogs diarinho é uma coisa assim declarada ao mundo praticamente todos os dias. Amo os dramas, os mimimis, as dúvidas, as conquistas, as declarações de amor, e desenvolvo uma amizade platônica com os donos dos meus blogs preferidos porque não tem como não querer ser amiga de vocês. <3

7. Escrever
Talvez não seja o que eu faço de melhor nessa vida, mas é algo que eu faço desde sempre e gosto muito. É a minha válvula de escape e a melhor terapia que eu pude encontrar para tentar sobreviver a essa minha inquietação e a essa guerra diária que acontece dentro de mim.  

6. Ler besteira 
Eu amo ler. Amo Saramago, amo Kafka, amo o Dostô, mas é com os não-clássicos que eu mais me divirto. Não vou nem mentir.

5. Independência
Ninguém vive sozinho, mas a sensação de conseguir realizar as suas loucuras através do próprio esforço é impagável. Com o papai e a mamãe bancando tudo é muito fácil, quero ver é conseguir as coisas trabalhando feito louca como eu!

4. Sinceridade 
Eu sou uma pessoa sincera, mesmo, e todos os meus relacionamentos funcionam na base da sinceridade. Eu sou aquela amiga que fala tudo que a outra precisa ouvir, mas que ninguém tem coragem de dizer – a verdade. Talvez por isso mesmo eu tenha poucos amigos e até prefiro assim. Eu não consigo ter relacionamentos vazios e amizades superficiais. Eu não vou me tornar a sua amiga de infância no primeiro encontro, em cinco minutos de conversa. Comigo não funciona assim. Eu não forço a barra e faço questão de não me relacionar com as pessoas com as quais eu não me identifico. Prefiro dedicar o meu tempo e a minha energia para fazer as coisas que eu gosto.

3. Comida 
Coisa doce tem que ser de chocolate; qualquer fruto do mar (camarão, te amo); bolo de tapioca e tapioca fininha da minha vó; todas as comidas da minha mãe (empada, amor eterno) menos buchada (eca); qualquer torta doce ou salgada do meu irmão; as invenções de última hora na cozinha do meu marido (que sorte a minha); frutas e mais frutas; comida saudável; lasanha e pizza!!!!! (com sotaque italiano)

2. Música & Natureza 
Meu nome e sobrenome. Dispensa explicações e quem me conhece na vida real sabe o peso que essas palavras têm para mim. 

1. O sorriso sincero, daqueles que deixam um brilho no olhar, de todas as pessoas e criaturas de quatro patas que eu amo. <3


---
Se você tem um blog com menos de 200 seguidores e está ali nos meus favoritos, considere-se premiada e convidada a responder o desafio também! ;D

9.11.12

Das escolhas


Em cinco minutos de conversa, só conseguiu falar mal da cidade, do país e da [falta de] cultura dos seus habitantes. Nos outros minutos não parou de falar o quanto o seu país é o melhor do mundo, com o clima perfeito, rico em tradição e cultura dentre tantas outras vantagens. Não demorou muito para citar lista de renomados conterrâneos que fizeram diferença na história da arte mundial. E as comparações não pararam por aí.

O brilho no olhar de saudade do seu lugar de origem se confundia muitas vezes com o brilho da fúria gerada pela ignorância e pela não aceitação do outro. Uma declaração de amor e ódio que se confundiam na mesma voz embargada e alterada pela emoção. Confesso que ouvir esse monólogo apaixonado proclamado aos quatro ventos, no final de tarde de um dia de domingo em um restaurante cheio de ingleses, me deixou bastante desconfortável.

Quando se vive longe de casa é normal sentir saudade, é normal olhar a vida que se levava com outros olhos. Quantas vezes eu não escrevi aqui e ali sobre a falta que eu sinto de determinadas coisas? O que eu não entendo é a insistência em permanecer em um lugar que se escolheu estar dessa forma, sentindo tanta raiva, criticando tudo e todos, e principalmente não aceitando esse outro jeito de viver.

Eu me comovo sempre que penso nas pessoas que não tiveram escolha e que estão aqui tentando fugir de uma zona de guerra, tendo que recomeçar tudo do zero, tendo que encarar o preconceito, desemprego e tantas outras dificuldades tão mais sérias que a inaptidão de conseguir enxergar um palmo a frente do próprio nariz, o que aparentemente é o caso da pessoa expatriada em questão.

No nosso caso, apesar de não ter sido uma coisa planejada, não temos como negar que vir para a Inglaterra foi uma escolha nossa. Apesar de não concordar com muitas coisas por aqui, e de definitivamente não querer morar aqui para sempre, não tem como não reconhecer a grandeza dessa aventura. Ter que “viver”, trabalhar com algo que não tem nenhuma relação com o que somos de verdade, ser apenas um número, compreender outra língua, sangrar por dentro todos os dias, aprender um pouco sobre tudo e principalmente sobre nós mesmos faz a experiência de viver em outro país uma coisa incrível e impagável.

Eu não reclamo da cidade, eu não reclamo do emprego, eu não reclamo da comida, muito pelo contrário, eu agradeço. Eu agradeço porque eu escolhi estar aqui, eu escolhi aceitar o desafio, eu escolhi experimentar a diferença. O preço é muito alto e dói um bocado às vezes, mas é o preço da minha escolha que, independentemente do tamanho da dor, continuará sendo paga com um sorriso no rosto e com muita gratidão.


--
ps: De vez em quando eu reclamo um pouco do frio porque ninguém é perfeito e não se esqueçam que eu sou bicho do calor do Sertão né! <3

7.11.12

Dos sonhos empoeirados

Com a passagem do furacão e o assentar de tanta poeira, ver novamente o brilho no seu olhar é como enxergar uma luz no fim desse túnel.  

6.11.12

Das injustiças


Enquanto ele guarda os óculos de grau no bolso de trás da calça jeans, coloca todos os cartões do banco e de crédito nos bolsos da mochila e deixa os seus papéis organizados em uma bagunça que só ele entende, sou eu quem coleciona perdas. Logo eu, cuidadosa ao extremo, que deixo os óculos de grau na caixinha, organizo os meus cartões metodicamente na minha carteira e tenho uma pasta só para organizar os meus papéis. Ele diz que o problema é que eu me preocupo demais, mas para mim essa é só mais uma das mil e uma exemplificações do significado da palavra injustiça. :P

4.11.12

Project365 - #10

[Domingo - 04.11.12 - 70/365]
Dia tranquilo e de ficar em casa aproveitando o barulho da chuva. Ele comprou  umas coisinhas para fazer o nosso jantar e encontrou esse trocinho cor de rosa para a gente experimentar. Mateus, quase um refrigerante Jesus.
[Sábado - 03.11.12 - 69/365]
Fui dar uma voltinha na biblioteca e acabei encontrando o Hobbit disponível para alugar. Finalmente. Só não gostei muito porque era a versão em quadrinho e eu preferiria ler o livro mesmo. 
[Sexta-feira - 02.11.12 - 68/365]
Hoje eu presenciei um ato de preconceito que me deixou tão triste.  Enquanto alguns muçulmanos faziam um protesto em frente a prefeitura, uma senhora inglesa que passava ao meu lado na rua começou a fazer comentários terríveis, principalmente pelo fato de não ter nenhuma mulher participando. Eu olhei para ela que disse que era apenas outra cultura. Ela me fuzilou com o olhar e seguiu praguejando..
[Quinta-feira - 01.11.12 - 67/365]
O outono é lindo, mágico, romântico e perigoso. Não se engane com a beleza desse chão colorido, ele é um truque para derrubar pessoas no chão. Sim, me esborrachei no meio da rua e não gostei da experiência. :P
[Quarta-feira - 31.10.12 - 66/365]
Enquanto a cidade comprava abóboras para comemorar o Halloween, ele comprou um quadro branco para me ajudar no nosso curso intensivo particular de inverno. 
[Terça-feira - 30.10.12 - 65/365]
Para a minha sorte foi um dia lindo outra vez, com muito sol, apesar do frio já insuportável para mim. Os friorentos que me desculpem, mas definitivamente não vejo graça em ter que sair de casa com mil e oitocentas peças de roupa para me sentir "confortável" (?) na rua. Close na estátua da prefeitura pegando um bronze.
[Segunda-feira - 29.10.12 - 64/365]
Estava indo para o trabalho durante a tarde e dei de cara com esse céu lindo quando saí de casa. Foi uma pena ter saído da loja quando já era noite, as cinco da tarde.

2.11.12

Noves fora: Zero


Novembro chegou e com ele veio toda a esperança do mundo para que as coisas finalmente comecem a entrar nos eixos. A gente sabe que nada é fácil, que tudo é resultado de um longo e doloroso processo de aprendizagem, de audácia e de coragem. Difícil mesmo é continuar caminhando quando se tem a impressão de que não se avançou em nada, apesar do esforço e das dores nas costas. É só impressão. A terra não continua girando sem que a gente perceba? Pois é, nós também.

“Mesmo que não venha o trem, não posso parar.”