11.12.12

O dia em que a terra parou


Estou aqui, embaixo das cobertas enquanto finjo que esse edredom macio é, na verdade, um abraço. Como estava de folga do trabalho e com uma insistente enxaqueca desde domingo, acabei me dando a liberdade de cancelar a minha terça-feira. Não saí de casa nesse frio de menos dois graus, não fui ao trabalho voluntário, não devolvi os livros na biblioteca, não comprei os cartões de natal que levaria para o outro trabalho voluntário amanhã e fiquei aqui, olhando para as paredes inutilmente, sem saber muito bem o que fazer.

Tomei um banho demorado, me enrolei no meu roupão fofinho de corações brancos, fiz uma caneca de chocolate quente e voltei para debaixo das cobertas. Não consegui escrever o que queria, não consegui me concentrar em nada durante mais de cinco minutos. Eu e essa droga de cabeça que não para de latejar e pensar. Eu sei muito bem o que essa dor, essa melancolia e essa fome de chocolate significam, mas não quero que isso me dê trabalho. Não nesse mês, não nesses dias em que eu não posso ficar triste.

3 comentários:

  1. Lendo daqui pareceu uma dia bom, gostosinho. É da vida ter altos e baixos. Não se preocupe. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Nao fica triste! Vem ca me dar um abraco! =)

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)