30.9.13

Tempo Amarelo

Tanto tempo longe daqui que já nem sei mais se quem escreve sou mesmo eu. Nesse mês de ausência pouco aconteceu de muito extraordinário e nós temos vivido os dias sem muito ruído. Esse momento de redefinição das nossas rotinas traz ainda aquele sabor doce e amargo da novidade, mas confesso que acordar com a calma de um dia ainda um pouco vazio de compromissos tem lá as suas vantagens.

Da sacada eu escuto o barulho das folhas das árvores em movimento, vejo nuvens se desenhando e perdendo as suas formas de acordo com a velocidade do vento, tomo banho vermelho de pôr do sol enquanto crianças e cachorros correm pela calçada. Faça frio, faça sol, o playground está sempre colorido. Me pego pensando se eu teria sido uma criança feliz assim no frio – se é que isso é frio mesmo para quem tem tantos graus negativos no inverno – e tenho minhas dúvidas. A cada vento gelado no rosto, me convenço de que o suor é minha sina. Sinusite é o cão.

Eu, que nunca morei em prédio antes, acho engraçado esse negócio de elevador e oitavo andar. Small talk continua não sendo o meu forte e ficou pior ainda com meu quase inexistente alemão. Para todos os efeitos, somos um casal russo. Quando falamos em Brasil todos se surpreendem. Não temos ainda nenhuma experiência negativa para contar e até os caixas de supermercado tem sido, na maioria das vezes, bem simpáticos.

Nesses últimos dias vimos o calor se despedir e o outono chegar. Os parques começam a ganhar aquela atmosfera mágica e o chão amarelo avermelhado pede atenção. Uma distração e pronto, o escorregão é garantido. Ainda não caí dessa vez, mas nesse mesmíssimo dia, no ano passado, eu caí enquanto descia a ladeira mais movimentada da cidade e aprendi a lição. 

11.9.13

Oriente-se

No momento, estamos morando em um bairro bem residencial e tranquilo na antiga Berlim oriental. Temos ao lado uma biblioteca, vários supermercados, padaria, um parque, um lago e muito verde. O acesso mais próximo ao transporte público fica logo do outro lado da rua e, com a rede integrada de Berlim, não existe grande distância: tudo fica perto. Compramos o cartão de uso mensal para esse mês, mas quero investir em uma bicicleta o mais rápido possível.

O apartamento é uma graça, cheio de plantas e bem arejado. A única inconveniência é o fato de não ter internet e, como nós não queremos fazer um contrato de um ou dois anos agora, resolvemos comprar um 3G pra usar no computador. Fizemos o pedido pela internet e ficamos esperando o carteiro trazer a nossa caixinha mágica de comunicação. O problema é que a nossa conta era internacional e – não entendi muito bem a razão de não terem aceitado o nosso cartão – a transação não foi concluída. A parte chata foi que levaram três dias para dizer que não tinha dado certo e a gente ficou esperando o pacote da internet chegar pelo correio. Tudo bem. =/

Na biblioteca ao lado nós conseguimos um ticket para usar uma hora de internet por dia e temos resolvido as coisas mais urgentes por lá. O problema é que em uma hora não dá tempo de resolver tudo, por isso o meu sumiço. Não vejo a hora de ter acesso à internet em casa. É muito complicado ficar incomunicável, sem ter como fazer pesquisas simples e providenciais quando você é novo na cidade e sem falar com a nossa família. Tirando esse detalhe chato, principalmente para uma pessoa viciada como eu, está tudo bem. =P

9.9.13

Das visitas

No último sábado tivemos a felicidade imensa de poder receber a visita de uma pessoa muito querida aqui na nossa casa. A inteligência, a simpatia, o carisma e o bom humor que ela esbanja nos textos do blog não representam nem dez por cento de como ela é na realidade. Ganhamos pão e sal* como presente de boas vindas e tivemos uma tarde super agradável.

Eu passei a tarde toda sem conseguir comer nada, só olhando e babando enquanto ela falava, tentando entender que era ela mesma ali sentada do meu lado. Ele disse que eu fiz vergonha, mas tudo bem já que eu já sou a personificação da timidez naturalmente - e uma idiota quando fico emocionada. :)

-- 
ps. Segundo a tradição, o pão e o sal trazem prosperidade e fartura para a casa.  

5.9.13

Adieu

Deixamos Bristol no último sábado de agosto, após uma semana chorosa de comemorações e despedidas. Nos alegra muito o fato de ter deixado a cidade que nos abrigou de maneira tão conflituosa durante o início desse jeito tão bonito. Não me esqueço um só minuto de cada sorriso, abraço e desejo sincero de boa sorte que recebemos.

Não foi uma decisão fácil, mas postergar o fim de um ciclo é atrasar o início de novos caminhos e novas possibilidades. Nesse momento ainda confuso de recomeço, a única certeza que me acompanha é a de que demorou, mas finalmente iremos voltar aos poucos para a nossa rota inicial.

2.9.13

Alive

Sem internet, mas com vários lencinhos na bolsa e milhares de documentos. Estamos em Berlim. :)


--
ps: Escrevo sobre a mudança assim que a internet permitir! Um beijo!