23.2.14

Dos dias

Os últimos dias foram estranhos e bem estressantes, mas também muito bonitos. O frio já ameno e bastante agradável abre caminho para os dias ensolarados e floridos de primavera. Essa transição sutil já trouxe pequenas mudanças e já deixa sinais alegres nas roupas e rostos que caminham por aí. Na verdade, tudo tem me fascinado e distraído de um jeito único e colorido que só quem já pode se apaixonar pelas fachadas de Berlin poderia entender ou explicar.

Ainda tenho apanhado um pouco para me adequar a minha nova rotina. Não tenho tido nenhuma energia nem para ler meus livros, continuo estagnada na página trinta e já me conformei em não saber o que seria essa história lenta e chata que achei que iria me entreter. Ainda não consigo olhar para o computador ou pensar em palavras outras que sejam minhas, e só minhas, e que estejam desligadas de tudo que falo e sinto durante todo o dia. É chegar em casa quase as dez da noite todos os dias, tomar um banho quente, jantar entre conversas ou silêncios e me desligar do mundo de uma vez por todas ao dormir.

Durante o dia, é estranho perceber que todas as pessoas presentes na minha rotina nesse momento parecem fazer parte da minha vida há séculos. Todos os rostos são familiares, os sorrisos, as histórias. Até mesmo um antigo apelido familiar, um dos resquícios da minha infância, voltou outro dia aos meus ouvidos. Enquanto na Inglaterra todos sempre foram rostos estranhos, relações novas, aqui tudo é familiar. Isso nunca me aconteceu antes.

Talvez seja Berlim, com essa atmosfera estranha e com essa cumplicidade oculta que existe entre os tantos moradores e visitantes, todos estrangeiros. Ontem, após mais um espetáculo, a espera de mais um trem, em mais uma volta para a minha casa, entendi que somos todos velhos conhecidos porque somos todos filhos de uma mesma história: de partida, de medos, de mistérios, de sonhos e de saudades. 



---
ps: Tenho exatamente 365 posts para ler no feedly nesse momento e, como adoro essas bobagens e coincidências numéricas, interpretei esse "acontecimento" como uma indireta do mundo avisando que eu demoro um ano para dar as caras, responder aos comentários e visitar vocês. Calma que daqui a pouco tudo se ajeita, dessa semana não passa. Um beijo e muito obrigada pelo carinho, visitas e comentários dos últimos dias.

5 comentários:

  1. E vc nem imagina como estou feliz com esse solzinho e essas temperaturas.
    somos duas!
    bjs!

    ResponderExcluir
  2. Tenha o seu tempo! Talvez leve um pouco mais do esperado para que você "se encontre" nessa cidade e em sua nova rotina. O tempo é melhor remédio para tudo.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Tão boa deve ser essa sensação de familiar, principalmente depois de tanto tempo.

    ResponderExcluir
  4. Sabe, meu dia não foi bom, mas de alguma forma teu texto me confortou, obrigada ;**

    ResponderExcluir
  5. Ahh que bom ver que tudo anda indo bem pra vc... que vc já está se adaptando a uma nova rotina.

    Kisu!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)