22.7.14

Das decisões

Vivi dias e noites conturbadas nos últimos meses. Percebi que a angústia era tanta que eu mal conseguia viver o presente e então me tornei por alguns dias um mero fantasma de mim. Detesto essa mania de pensar e me preocupar demais com as coisas, que frequentemente me cega e faz com que a paisagem não passe de um borrão de cores aleatórias por onde caminho sem rumo algum.

Mas, assim como as luas e as marés tem o seu tempo de idas e vindas, altos e baixos, tenho também os meus surtos de lucidez que espantam todos os fantasmas e medos das decisões. Caminhar espanta também qualquer tristeza e isso eu tenho feito bastante nos últimos dias. Acordar cedo, por pura vontade de viver uma terça-feira ensolarada, também. Entre a dúvida e o desejo de estar, tentar e ficar, decidi seguir.

12.7.14

Dos rascunhos

Eu me transformei em um vazio tão grande que se tornou para mim quase impossível transcrever qualquer sentimento em palavras. Tenho lutado diariamente contra o desânimo, mas tem dias que ele é sim muito mais forte e não adianta fugir ou negar. Acho importante essa fase de recolhimento, de aceitação, de dias ruins, de busca por uma melhora ou mudança grande ou pequena. Que seja. Os dias difíceis sempre nos ensinam algo a mais sobre nós mesmos. Daqui a pouco passa.


--
ps: É post antigo que andava perdido nos rascunhos. Resolvi publicar porque julho tem sido um mar de dias de mimimi sem fim.. aff. =~~