20.9.14

Dos silêncios

Gosto muito dos sons e silêncios das ruas. Durante o dia, são risadas e latidos pelas calçadas, passarinhos inquietos pelas árvores, competindo espaço com as buzinas de bicicletas. Raras são as dos carros e as dos bondes, mas elas existem também e são sempre acompanhadas por um pulo de susto por quem caminha na distração.

Na noite é o silêncio, ruas vazias. Carros esporádicos aguardando o sinal verde enquanto o bonde faz a curva. Depois é a chuva e no céu explodem os fogos de artifício ou o barulho do trovão. Vez ou outra são cantigas ébrias em vozes exaltadas, o grito de guerra ecoando pela noite, sem medo da solidão.

Aqui dentro, somos nós. Você e seus vídeos, aulas, documentários prediletos rodando no computador enquanto você prepara o nosso jantar. Sou eu percorrendo os cômodos da casa, checando as janelas, colocando água nas plantas com a garrafa de vinho de sempre. São os diálogos, os monólogos, os silêncios, o boa noite, o eu te amo e a paz.

Um comentário:

  1. Ahh que delícia o silêncio e a rotina.

    Dormir aqui sem a janela fechada é pedir pra passar a madrugada inteira acordada com o barulho dos carros passando rs

    K!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)