8.1.15

Do que passou

Nos meus rascunhos de adeus ao ano que já foi, o vazio foi a cor que predominou durante alguns dias até que eu conseguisse entender e aprender a conviver com os últimos acontecimentos. Foi um ano complexo e difícil que se despediu da mesma forma que chegou, de um jeito caótico e emudecedor. Calei por muitos dias, foi necessário calar.

Apesar da alegria de estar aqui, algo que queríamos tanto, eu sabia que esse período não seria fácil e que eu encontraria grandes provas a minha espera. Encontrei e em dezembro eu fui muitas metades. Alívio, felicidade, tristeza, esperança, alegria, medo, coragem, fé, humildade, sorriso, silêncio, angústia e a dor profunda da realidade. 

Foi a primeira vez que eu disse adeus e enterrei um pedacinho do peito. Foi a primeira vez que eu vasculhei fotografias e falei sobre nossos dias já com saudade. Foi a primeira vez e como doeu, apesar de saber que hoje minha melhor amiga está em paz. Foi a primeira vez também que ele passou o reveillon no hospital, fazendo companhia ao meu avô para que minha mãe pudesse dormir em casa no dia do seu aniversário.

Apesar das dores, 2014 também foi querido e trouxe para a minha vida experiências maravilhosas de carinho, amizade, aprendizado, superação e muito trabalho. Pude finalmente rever minha família e estar perto deles nesses dias tão tristes para mim, o que me conforta. Estou realizando diariamente minhas pequenas grandes vontades, plantando roseiras, aprendendo a brincar com as agulhas e sendo presente de verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)