21.2.15

Das distâncias

Nem lembro mais quando foi a última vez que ficamos mais que vinte e quatro horas assim, separados. Tem sido bem estranho viver todos esses dias sem você na casa, mas como o motivo é nobre demais, preferi que fosse desse jeito mesmo. Amanhã você chega e meu mundo volta ao normal.

Passei horas cuidando das plantas aqui da casa, mudando jarros, plantando mudinhas, organizando mais ou menos o espaço. Faço isso pensando no jardim que quero ter, nos seus pés descalços pra lá e pra cá, na alegria das cachorras e na nossa, no dia em que a gente resolver se aquietar.

Fortaleza amanheceu hoje cinza que só, cheia de chuva, bonita demais. Chuva essa que só rega esse desejo cada vez mais impossível de conter de querer caminhar na contramão de todo mundo. Desejo de ser mais e ter cada vez menos, só o necessário. De viver a verdade e nada mais.

3 comentários:

  1. Que texto com vontade de felicidade.
    É até bonito de se ler.

    Boa noite, bjos.

    ResponderExcluir
  2. Respondendo esse comentátio super atrasada, só para variar.

    Eu gosto de sonhar com essa felicidade pequena de cada dia pra ver se ela chega mais rápido, né? Um dia a gente chega lá :]

    Obrigada pela visita e pelo carinho de sempre!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)