16.4.15

No filter

Abril anda aquela maré baixa de textos e de juízo. A crise bateu na porta e pediu minha identidade, cobrou resultados, comparou performances, exigiu deadlines. Mandei tudo pro buraco. E em tempos onde todos dublam ou colorem a realidade, cheguei a conclusão de que é exatamente por isso que eu não abandono esse blog, porque eu posso vir aqui escrever que viver-decidir-agir é fod.a. Aqui o filtro é o sentimento cru.

9.4.15

Da insônia

Reclamava que há tempos não conseguia tirar a voz da Marisa Monte da cabeça, até que tirou. Já era hoje quando acordou no meio da noite e, sem conseguir mais dormir, tentou me despertar para conversar um pouco. Foram algumas palavras desconexas da minha parte, mas o meu sono falou mais alto e o diálogo virou monólogo logo depois. Só sei que adormecida ou acordada, me surpreendi quando ouvi durante minutos horas depois a voz dele cantando bem baixinho, parecendo uma criança. E enquanto ele cantava, eu concordava em pensamento com cada frase.



Ainda bem que agora encontrei você..