15.1.17

Dos planos

Confesso que essas duas primeiras semanas de 2017 foram vividas no modo automático e só agora tive coragem de encarar friamente o papel para escrever as “coisas a fazer” nos próximos meses. O ano que passou permitiu que eu realizasse alguns dos grandes desejos dos últimos tempos, que era voltar a trabalhar na minha área e voltar para a universidade. Essas duas atividades continuarão preenchendo basicamente todos os minutos dos meus dias.

Para esse ano, não quero nada de muito extraordinário na lista. O objetivo principal é continuar trabalhando, estudando e crescendo. Mas preciso acrescentar uma rotina de atividade física e preciso também separar um momento no final de semana para o lazer. Nem é tanta coisa assim, mas trazendo para a minha realidade, não estou encontrando meios de encaixar a vida real em 24 horas. Como é que vocês conseguem?

Não sou tão desorganizada com minha rotina e minhas coisas, o maior vilão por aqui atualmente é o tempo de deslocamento entre as minhas atividades diárias, que acontecem em pontos distintos da cidade. Tem o ônibus lotado e têm o trânsito de cada dia. Nem sempre é possível, mas o jeito é otimizar esses vários minutos diários e adiantar as leituras da faculdade, por exemplo. 

Nunca me senti tão fraca e tão cansada, tudo consequência do sedentarismo. Minha coluna exige que eu faça alguma coisa – urgentemente – e pelo andar da carruagem, só caminhar por aí não vai dar muito certo não. Vou ter que procurar ajuda para fortaceler minha musculatura e tudo indica que precisarei me matricular em uma academia. Onde? Boa pergunta. Ainda estou analisando a rotina, os deslocamentos, o horário das disciplinas e todas as variáveis possíveis para que eu possa encaixar essa atividade na minha vida.

No meio disso tudo, quero também aproveitar melhor os meus dias. Quero continuar cuidando do jardim, que me faz um bem tão grande e é a minha melhor terapia. Quero finalmente iniciar os meus estudos relacionados à espiritualidade, algo que já venho fazendo a algum tempo sozinha, mas que agora precisa ser acompanhado e direcionado. Quero também aproveitar a vida e a cidade no meu momento de lazer, ir ao cinema, ao teatro, à praia, etc.

Olhando agora tudo escrito no papel, parece até muita coisa, mas não acho que não seja realizável. O que não dá é para levar uma rotina sem verdade: sem vida, sem sorriso, sem luz e sem cor. Que o nosso ano seja feito de encontros bonitos e de conquistas sinceras, sem essa paranóia diária de tempo e de produtividade. Espero que dê certo, vamos ver no que vai dar. =)

2 comentários:

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)