24.7.17

Das faxinas

Há tempos a casa perdia espaço para tralhas e caixas de guardados alheios. Com o fim do semestre e a rotina pesada de trabalho, pilhas e pilhas de papéis e rascunhos escritos acumulados sobre a mesa já não deixavam disponíveis um palmo do vidro. Eu me entristecia a cada dia ao ver o caos por todos os lados, foi como perder o controle de mim e de nós.

Eu pedi ajuda e ele, perdido entre químicas e cálculos, disse que ajudaria assim que as provas acabassem. Eu esperei, o semestre acabou e no dia seguinte ele acordou de vassoura e pá na mão. Rasgou papéis, selecionou livros, eliminou caixas, martelou pregos e deu banho no cachorro. Foram dois dias intensos de reorganização que permitiu aos poucos voltarmos a enxergar os espaços com outros olhos.

Antes de dormir, com os ossos da coluna trincando de dor, agradeci pela ajuda e principalmente por ele ter poupado minhas costas ao fazer sempre a parte mais difícil do trabalho. Acho que nesses tempos de egoísmo, dividir a faxina pesada é uma das maiores provas de companheirismo e de amor que se pode ter.

3 comentários:

  1. Com certeza é uma prova de amor e tanto!
    Eu tô montando uma to do list com tudo o que preciso fazer pra deixar as coisas em ordem por aqui também!

    Aos poucos estou conseguindo voltar ao meu blog e aos blogs que tanto gosto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E num é?
      A bagunça é uma constante por aqui, a gente precisa mesmo se ajudar.

      Volte sim, volte sempre!!!
      Um beijo!

      Excluir
  2. Tô super precisando fazer uma faxina assim aqui em casa!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)