8.1.18

Dos egoísmos

2017 bateu a porta e deixou muitas questões em branco, diga-se de passagem, para que eu pudesse responder só agora em 2018. Foi assim que eu me senti até o último minuto do ano, com o desânimo de uma péssima aluna, de recuperação, recebendo uma pilha enorme de tarefas de casa para fazer quando tudo que eu mais queria era estar de férias.

Das muitas lições recebidas no ano que se encerrou, a principal (e a mais clichê) foi compreender que eu tenho sim muito que aprender para ser uma pessoa melhor, mas que nada irá fazer sentido enquanto eu não for uma pessoa melhor para mim mesma. Ponto final. Levando em consideração essa minha brilhante e tardia descoberta, nesse ano resolvi aceitar um convite pessoal para me colocar em primeiro lugar.

Foram inúmeras as crises de ansiedade e de estresse. Foram noites mal dormidas, madrugadas em que acordei preocupada com um prazo de algo que nem cabia a mim resolver, noites em que eu simplesmente apaguei de cansaço, sem aproveitar o meu tempo livre ao lado das pessoas que amo. Pra quê? Qual é o sentido de abraçar uma vida e uma rotina destrutiva dessa forma? E o pior, que eu mesma impus para mim?

Todas as experiências foram incríveis e muito válidas. Cresci tanto, conquistei tantas coisas maravilhosas, foram tantas mudanças positivas também! Mas, cabe a mim agora escolher o caminho mais adequado para viver de maneira coerente com aquilo que acredito e para ter uma vida mais tranquila na medida do possível e no que depender de mim e estiver ao meu alcance. Portanto, declaro oficialmente que em 2018, haja o que houver, estarão acima de tudo meu bem estar, minha saúde mental, meu tempo e minhas possibilidades.

Feliz ano novo para nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita e pelo comentário! :)